segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

gosto quando o céu tá assim

laranja, rosa, roxo e azul

hoje eu acordei quase 11 horas com o pulso todo arrebentado como se eu tivesse dormido em cima dele dum jeito muito errado. também tava com uma dor de cabeça-olho fininha que eu ouvi falar que é enchaqueca e tou com isso até agora mas as vezes parece que eu me esqueço.... (outro dia eu senti isso mas doía tanto que eu comecei a chorar, e dava um ódio de existir luz no mundo porque era desconfortável pra caraleo.)

eu trabalhei no meu projeto e depois fui encontrar com o meu cliente, agora vou trabalhar mais um pouco e tomara que fique tudo pronto essa semana porque sexta feira eu vou pro sul (e não tava querendo levar trabalho pra lá não).

eu queria muito ser uma pessoa trabalhadora e produtiva que ganha dinheiro suficiente e pode cuidar da família e tudo, mas eu não queria ficar arrebentada. comofaz?

quando eu comecei a escrever o céu tava laranja, rosa, roxo e azul. agora se tiver algum resquício de dia agora não tá enquadrado na minha janela.

domingo, 13 de dezembro de 2009

banzo

a distância é uma doença
da cabeça, do coração e do estômago.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

vagalume no teto

não fui na confraternização das gurias do meu inglês que eu tinha ficado meio de cara delas cogitarem não convidar as meninas novinhas... isso porque elas são menores de idade? isso? porque 'os assuntos delas são outros'? não sei se elas tavam querendo contar detalhes sórdidos da vida velha delas (se é que tem) ou tomar um porre coisa que eu duvido... ainda mais no meio da semana, sendo que elas todas tem trabalhos, essas coisas que obrigam a gente a acordar cedo e disposto(?) no dia seguinte. no fim das contas um encontro de 'meninas' duma turma adulta de inglês não sugere nada muito emocionante para mim, que dirá sórdido... dae eu tava já meio com má vontade porque eu gosto bem delas e tudo, mas me deu bem adenilson dessa história e de ir e tudo. e eu tava na casa do leandro (que geralmente eu chamo aqui de pedro, mas dessa vez parece que soa melhor chamar de leandro) e tava gostando de estar lá com ele e ver coisa na internet e falar do que eu tva lendo e ele me contar da faculdade e do bar que ele tinha ido ontem. dae acabou que a gente dormiu e eu acordei depois de meia note e não podia ficar com preguiça e dormir direto lá que hoje eu tenho que apresentar um trabalho e tava sem o arquivo... eu acordei elétrica mesmo então nem dirigi com sono nem nada. e vim pensando que eu tinha que saber com exatidão como que mexe a alavanca que liga o limpador de parabrisa traseiro, mas eu não sei e não queria ficar testando porque a borracha tá toda folosada e por isso acho que tá arranhando o vidro. fiquei pensando que se eu tivesse dinheiro um dia eu comprava o apartamento onde o eduardo morou que é onde o leandro mora agora, pagava os 200 mil ou mais que a especulação imobiliária diz que valem aqueles 30m. porque vivemos muito afeto por lá.. e isso vale muito pra mim. quando eu cheguei fiquei conversando com a bell com o cabelo ruivo novo dela e com gabriel do trabalho e do resto do dia. e no fim eu interrompi alguma coisa que ele tava falando pra dizer que tinha um vagalume aqui no teto e fazia um tempão que eu não via um desses. dae a gente ficou falando de vagalume até dormir.

terça-feira, 24 de novembro de 2009

terça-feira, 17 de novembro de 2009

ex-infâncias

tenho pensado muito no passado.

coisas mais recentes e de quando eu era pequena mesmo.

lembrei de como eu gostava de comer a pele do frango. e se eu pudesse comia ela inteira, aquela coisa gordurosa... lembrei que o meu pai comprava pão na quadra em cima da nossa, e comprava pão de menino pra bell. quando eu era criança ele matava os mosquitos pra eu poder dormir (e era o meu herói por isso). hoje em dia, quando eu vou pro rio, o gabriel faz isso também.

a minha mãe fazia bolo leonidas e pavê dos padres(?). ela faz um monte de coisa, mas nunca mais fez esses que são o top da infância. mas acho que, mesmo se ela fizesse, provavelmente eu acharia enjoado com esse paladar de gente velha que eu acabei ficando com. ela também me contava um tanto de historinhas inventadas de passarinhos e gatos-gente e lia o cachorrinho samba pra mim.

outro dia eu tava lembrando com o leandro de quando a gente era calouro e de como a gente convivia tão de perto com os nossos colegas. e o nosso mundinho era aquilo. e eu acho que era tão bom. não que hoje seja ruim, mas nossas vidas eram um tanto mais indistintas. era meio como viver numa comunidade pequena, cidadezinha do interior... mas eu acho que tinha muito amor naquela época, então não era sufocante nem nada. era bem lindo, na verdade, a nossa pós-adolescência. e a gente não deixava de ser criança.

também teve um tempo que parecia que nunca ia chegar o dia deu reencontrar com gabriel. isso porque eu não tinha coragem de ir atrás duma pessoa tão longe de mim, por mais que fosse uma pessoa bem (mais) querida (que tudo). e que foi tanta sorte encontrar nesse mundo. esse é um passado pouco distante, tem dois anos e tanto que a gente se conhece. e muita coisa aconteceu nesse tempo. deve ser por isso que parece que tem muitos tempo, olhando daqui. dá até uma esperança no futuro porque agora o que parece impossível é o dia da gente ficar junto fisicamente por um período direito. e as vezes é tão angustiante ficar longe que parece que eu vou vomitar o coração (eew!).

acho que eu tou cansada.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

novembro: o pior mês do meu ano

agosto: mês do desgosto nada.
e em dezembro tem as férias e as festas pra consolar.

como disse a drix: 'vivendo o inferno astral de outra pessoa...'
ou talvez seja o meu que chega cedo.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

babe

nada é constante
e nada é certo
amanhã ou depois
precisamos de sorte pra (permanec)(s)er

mas tudo bem porque você
enche o meu coração
e o meu sorriso
de alegria genuína
hoje.

muito pior que a gripe suína

é a depressão em novembro.

a única coisa boa é se sentir menos só nesse (mal) estado de espírito.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

se fico gritando muito tempo dentro de mim

conto a mesma história (revoltante)
(com voz de cláudia estrela)
pra qualquer amigo que passar
pro meu pai
gabriel me dá uns conselhos bem sensatos
diz preu me acalmar
isabella acorda brava e diz que eu falei isso
(que ia ter um treco)
10 vezes nos últimos minutos.

as vezes eu fico histérica e isso me deixa bem cansada.

.

eu tenho muita vontade de escrever (especialmente no carro) mas quando paro e vou escrever de fato só penso coisas chatas.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

o dia em que cheguei cedo pro check in

babe,

(tenho certeza)
foi milagre eu errar o dia da minha volta

o dia a mais contigo foi tão bom.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

marido

dorme aqui
do lado
(d)e dentro
do meu coração

domingo, 20 de setembro de 2009

incostante e energeticamente

dormindo bem
minha pele acorda ótima
dormindo mal
acorda fodida

se eu não trabalho direito fico com gastrite

eu tenho um problema com trabalho
pra começar demora um horror
mas quando começo
não consigo prar

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

quem não tem aniversário

É assim. Eu nasci no dia 25 de Dezembro. Dae eu não tenho aniversário. Tem peru e presente e bolo. Peru acho que quem nasce no reveillon tem. Mas dae essa coisa de não ter aniversário acho que só quem nasce no natal. Além de ser férias, todo mundo passa com a família. O ano novo dá pra passar com outras pessoas e tudo. Mas acho que no natal, mesmo que você seja um ateu e viva só, você não vai sair de casa pra beber ou algo que o valha. Pelo menos no mundo ocidental. Porque, mesmo que você quisesse, não teria onde. Não que eu não acredite em deus ou esteja reclamando, mas estava pensando como a minha impaciência com festas pode estar relacionada ao meu aniversário. Nada contra festas. Nem sei se é impaciência a palavra certa... Mas eu tenho uma tendência a menosprezar os eventos alheios. Que nem quando Pedro foi pra Argentina. Ele foi passar um ano e tudo e ele é meu amigo assim... Tão amigo quanto um amigo pode ser. Mas eu simplesmente não fui na festa de despedida dele. Não fui. Eu tive motivos pra não ir, mas claro, poderia ter feito uma força e ido. Mais cedo, mais tarde, pra ficar pouco ou qualquer coisa nesse estilo. Quase me arrependo, mas a verdade é que eu raramente me arrependo de não ir em eventos. Muito mais fácil me arrepender de ir forçada.

Dae hoje é a despedida dos meninos e tudo, num bar bacana e tudo. E eles vão pra Itália passar um ano quase também. E eu acho que não vou. Eu tenho uma penca de coisa pra fazer. Mas se eu tivesse um pouco mais de consideração por eventos eu iria, claro. Chegando cedo, tarde ou pra ficar pouco, eu iria. Mas eu não tenho consideração por eventos, então acho que não vou.

Não é só com as despedidas o meu problema. Mas as despedidas são eventos pelos quais se deveria ter consideração... Tipo casamentos e outros eventos de dose única. (Aniversários são anuais... então são quase que dose única-Mas todo mundo faz aniversário algum dia, e isso é um bocado complicado de levar a sério quando todo dia tem alguém fazendo aniversário. Todo mundo menos eu.)

Isso tudo é pra dizer que eu sinto uma pontinha de culpa, mas não muita. Mas nada que vá me fazer mudar. É pra dizer também que a minha falta de consideração é pelos eventos e não pelas pessoas.

domingo, 13 de setembro de 2009

casamento

ontem eu fui no casamento da mirras. em julho casou a mari... a pri de prima foi morar com o namorado no semestre passado. dae agora ela chama ele de marido.

essa coisa de cerimônia de casamento é muito estranha e eu acho incrível ser tão mormal.

coisa boa

Outro dia eu li esse post mara da Lia que escreve um blog sobre a experiência dela de estar grávida e tudo. O nome do blog é Um, dois, três, saco de farinha.
É uma carta pra nenem que ela vai ter.
Como eu fiquei mto pensando nas coisas que ela disse achei que podia tocar outras pessoas...

E me lembrou um tanto esse texto do Paulo Mendes Campos.

Nessas vezes que eu fico pensando como os textos podem ser coisas poderosas.
Tipo... esse último eu ganhei quando tinha 15 anos e eu ainda me pego várias vezes pensando nas passagens dele...

terça-feira, 8 de setembro de 2009

o melhor, o mais difícil

20 minutos pra despedir
são os que eu aproveito melhor
e eu não sei acertar o relógio

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

não tem preço

comer cheetos de lua com a irmã
vendo comédia romântica
e tomando coca-cola

não tem preço
amor

domingo, 23 de agosto de 2009

chuva

hoje o bruno foi pra paris e tá uma baita chuva aqui. pra quem não conhece, talvez pareça não ter importância... mas eu nunca tinha visto chover em agosto em brasília. isso em todos os anos da minha vida, sendo que devo ter passado todos os meus agostos aqui. eu fico falando isso pra todo mundo toda hora porque acho que a maioria das pessoas que eu conheço não são daqui... dae tenho que mostrar todo minha experiência de vida e tal. essa semana é a terceira ou quarta chuva que eu vejo. parece até o início do verão. devem ter demolido uma montanha ou algo que o valha pra chuva chegar até aqui.

ontem foi muito bom... foi lindo e tudo e divertido e emocionante e todas as coisas que deveria ser uma despedida (sendo que a despedida em si nunca tem muito o que fazer a respeito... parece que fica faltando dizer alguma coisa, independente de você dizer muito ou nada.)

meu trabalho até que tá indo (não suficiente pra eu estar tranquila, ou distraída-entretida pra esquecer que não fico tranquila).

só falta mais do gabriel. mas ele tá lá fazendo trém pro concurso. a entrega dele é quarta parece.

o meu trabalho é pra quinta.

terça-feira, 18 de agosto de 2009

ineficiente e energeticamente

minha ansiedade
é em caps lock
mas não repercute em nada de bom

olho pra tela e não consigo escrever
com o gnt me distraindo
fico aqui vendo o baryshnikov comendo salada no documentário
pensando no trabalho desorganizado
no início do semestre desorganizado
no quarto desorganizado
e no sutiã que me aperta

a melhor parte de usar sutiã é tirar

gosto de quando o gabriel chega

se tou muito bem pra conversar com ele
gosto muito mais

se ele demora a chegar eu não gosto

ando antipática com o barulho
e também com o silêncio

eu odeio tudo quando eu estou com sono
odeio as estampas dos vestidos e das roupas de cama
e odeio assimetrias

tenho medo dos filmes de terror
das bicicletas, mais que dos carros

dos planos de curso, mais que dos trabalhos
das cidades grandes, mas já não tanto
das pessoas irem embora e que seja tão normal

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

abre os comentários lele!

(coloca um filtro pra só vc ler e contrata um provador de comentários, tipo césar)

confesso que eu ri disso

especialmente dos projetos finalistas. creeedo. (como se fosse o casseta e planeta fazendo uma caricatura dos arquitetos renomados-como fazem com a debora seco e outros.)
e dos comentários dos nossos professores.

sensacional!

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Life on Mars?

composição: David Bowie

versão: Seu Jorge

Muitas vezes o coração
Não consegue compreender
O que a mente não faz questão
Nem tem forças pra obedecer
Quantos sonhos já destruí
E deixei escapar das mãos
Se o futuro assim permitir
Não pretendo viver em vão

Meu amor não estamos sós
Tem um mundo a esperar por nós
No infinito do céu azul
Pode ter vida em Marte

Então, vem cá me dá a sua língua
Então vem, eu quero abraçar você
Seu poder vem do sol
Minha medida
Meu bem, vamos viver a vida
Então vem, senão eu vou perder quem sou
Vou querer me mudar para uma life on mars

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

lele

trabalhos sem mto pra fazer são outra coisa em termos de descobertas internéticas, né?
quero comentar no teu blog. cadê o lugar de comentar? tirou?

saudas.
saiamos?
ps. as aulas foram adiadas? vamos fazer teoria urbano regional?

terça-feira, 4 de agosto de 2009

eu nunca

eu nunca morei numa cidade pequena
simples
concisa
nem nunca tive nada
simples e conciso
na vida

(então)
isso não existe (pra mim)

de volta

(e com nostalgias várias)

outro dia escrevi umas coisas que gostei
mas era uma carta para o meu amor.

quinta-feira, 23 de julho de 2009

um par de anos

tava lendo
muita coisa aconteceu
que continue acontecendo
que seja seja sempre para o bem

e que seja pra nossa comunhão também

amém.

terça-feira, 21 de julho de 2009

não existe rio de janeiro

mas existe
parede rosa
pulgas
descarga que não para nunca
e existe
pão doce
torrada de pão preto
ovomaltino
churrasquinho com vinagrete 4 pila nessa pseudozonasul
e existe
garoa que não para
e o jardim
menos visto
e mais lindo do país
...
existe
tudo que você faz pra mim
e tudo que você me cuida
...
no meio disso
existe amor
...
e ainda tem teu cheiro no meu ombro.

lembrei no avião

"pisei na cidade maravilhosa
que não é minha
já morrendo de saudades
da minha cidade quadradinha..."

(colhido num fickr de daniel duende-acho que é dele)

quarta-feira, 15 de julho de 2009

para pedro, desde o rio

então, pedro, falando diretamente do rio de janeiro (lembra daquele programa,lucas silva e silva?, diretamente do mundo da lua?). como de costume isso não é literatura. é minha vidinha,
que eu adoro e é baseada em fatos reais (como dizia a breno me zoando de bobinha todas as manhãs no trabalho e que as vezes me irritava quanto eu tava na tpm-ele também é carioca e todos os cariocas gostam de zoar mas nem todos são chatos, apesar do sotaque que faz eles parecerem). aqui na barra tá chovendo. a barra é legal. o méier também é legal. o centro é o mais legal. lá que a gente devia morar, se um dia eu vier casar, e você vier vir. a gente pode morar em comunidade. tipo os novos baianos da arquitetura. tá tudo bem, a gente tá aqui no trabalho do gabriel. é na barra também, é muito legal, os colegas dele são umas figuras mas não sei se eu tinha muita paciência de ser amiga deles, tipo todos os cariocas. cariocas são muito não eu. as qualidades cariocas não são minhas... e os 'defeitos' eu odeio. a gente tá cuidando da mudança, e trabalhando mais. mas tudo bem. é bom estar perto do gabriel. é sempre muito muito. ontem a gente ficou preso fora de casa, dae ficou esperando o síndico chegar, comendo chocolate e lendo a revistinha do sendas com megas dicas de como usar seus produtos, e falando de novelas e outros interesses da dona de casa carioca. e o síndico é tipo um pit boy só que bonzinho. ele tem uns alteres gigantes. dae quando ele chegou a gente pode fazer a cópia da chave do portão. hoje a gente comeu escalopinho com arroz a piamontese no shopping, muito melhor que qualquer prato do mont syon, e a mesma faixa de preço dos pratos executivos.

a gente já já vai embora, dae a gente deve arrumar mais um pouco a casa, depois a gente vai ver filme em casa, ou ao cinema daquele shopping que a gente viu na aula de história (o downtown), ou andar na praia se não chover.

beijo, não ando inspirada pra escrever (tenho mais vontade quando eu tou irritada, ou frenética de estressar), dae já que você pediu, te escrevo como se fosse um e-mail aberto.

semana que vem a gente vai beber no conic, hein?
um afeto.
lili.

ps. vamos pro enea!!

quinta-feira, 9 de julho de 2009

convenção de condomínio

a cerca com o vizinho
será 40 centímetros mais baixa
que a cerca com o mundo

sexta-feira, 26 de junho de 2009

desconstrução

michael jackson está morto
nonato é humano
e eu
vou ser uma mãe
que imprime suas neuroses nos filhos
.
(saber que ninguém é grande coisa pode ser saudável?)

quinta-feira, 18 de junho de 2009

do lado pessoal

refleti e concluí que o coleguinha tinha razão:
levo tudo para o lado pessoal
é que ponho coração no que não merece
(e no resto)
(não que isso tenha qualquer resultado prático e bacana)
não sei assoviar, dizer: ah não tenho nada com isso
fico com a cara queimando de raiva, queimando de vergonha
eu queimo com tudo que é bom e que é ruim
sou uma neurótica como toda pessoa saudável
(de acordo com camila-com suas aulas de psicologia)
mas não sou saudável
tou na beirada (e mais pra lá do que pra cá) do patológico
não sei, não gosto e me gasto convivendo com as pessoas

mentira, eu gosto.

mas gasto a mim e ao meu estômago nessa
que nem cerveja, quase que nem
com ressaca (inclusive moral) das piores.
.
não mudo
mas as vezes dá pra direcionar essa característica positivamente
.
sei lá

terça-feira, 16 de junho de 2009

quinta-feira, 4 de junho de 2009

o melhor de brasília é a perspectiva

a perspectiva de que muda (rá)(remos)
a perspectiva muda da cidade que não buzina
o céu que berra à perspectiva das noites frias

quarta-feira, 27 de maio de 2009

setor de mansões isoladas

(na minha cidade-e por esses dias mais)

todos ao meu redor
são mansões isoladas
mesmo as casas geminadas
mesmo as kitnets

um dia vou embora daqui

(ou aqui-de agora-vai embora de mim)

(amém)

frio

debaixo da coberta e da roupa
minhas pernas e costas doem

segunda-feira, 25 de maio de 2009

isso não é literatura, isso nunca foi

me deu saudade de ver como era antes
tava lendo-nos
(era de ler adriana também,
por causa dela que eu quis muito escrever)

é uma pena, mas eu escrevia muito melhor

não queria esposo, nem cheiro de
meu menino, como eu, sorria fechado na época,
(hoje mostra muito mais os dentes tortos
que ele sabe o tanto que eu gosto dessas intimidades)
já me olhava com os mesmos olhos de jesus
cheios de bondade dentro

na época, tinha certeza que era tudo incerto
hoje também, mas talvez fossem outras coisas
agora olhando como era,
me dá impressão de que eu era bobinha...
tava tudo certo (certo torto, mas bonito ainda)... e talvez ainda esteja.

eu lembro uma vez tendo uma crise super segura

(porque também existem crises super seguras)
dizendo que não era certo ficar lutando contra a vida

como se fosse um oponente ou algo que o valha...
porque não adiantava mesmo...
não sei o que eu tava lendo na época,
mas acho que era alguma coisa boa.

terça-feira, 19 de maio de 2009

domingo, 17 de maio de 2009

não fui eu que comecei

(da série: se fizesse tudo ao contrário, fazia certo)

eu era uma criança boazinha
até que razoavelmente boazinha
uma criança mais ou menos boazinha
não pior do que as outras possam ser

tentava ser agradável às pessoas
ao menos aceitável pras pessoas
deve ter sido esse
o erro crasso da minha estratégia

mas ninguém mudou de idéia
sobre a minha tentativa esforçada
de ser minimamente agradável

exceto as pessoas que importam

sexta-feira, 15 de maio de 2009

cansaço

a capa da gaita é uma capa de nervos

terça-feira, 12 de maio de 2009

sobre o fim de semana

nem tão peito
nem tão curvas
(nem vestidos quase
nenhum salto)
e um tanto de choro
e vontade
antes de menstruar

domingo, 10 de maio de 2009

difícil pra mim

...é tirar os pensamentos da cabeça
os de jogar no lixo
os de praticar

segunda-feira, 4 de maio de 2009

da dualidade

ela toca meus nervos
me irrita
ele toca meus nervos
é bom

evitando irritações

nunca falar coisas cinzas

terça-feira, 28 de abril de 2009

evitando contragimentos

nunca falar de seios, de sexo
nunca tratar em voz normal de temas controversos
escolher muito com quem e onde se fala das coisas

sábado, 25 de abril de 2009

sobre a minha inconsistência

1.
se eu me sinto impotente diante de 27 andares
(também diante de 2, ou até menos talvez)
2.
se não sou mais
2.1.
se não sou ainda
3.
se hoje era um dia que só lulu me salvava pra querer trabalhar
(ou que me perdoava de deitar e ficar conversando com ela
ou com gabriel-não que tenha essas opções)

sexta-feira, 24 de abril de 2009

(só)um pouco mais conforme

e é difícil ser com propriedade
dirigindo tanto do dia
pra chegar nas pessoas
dá preguiça

quinta-feira, 23 de abril de 2009

(ainda) inconforme

me sentindo deslocada
que nem na escola
só que menos autentica
(sem livro pra ler
sem tempo de arranjar um livro pra ler
sem tempo de nada
e perdendo tempo aqui
que beleza)

inconforme

lá fora da janela, a ilha
o sol quente diz que é tudo bem
me sinto sem forma aqui
uso casaco apertado pra ver se melhora
.
gab,
já disse que acho que gosto de ti?

quarta-feira, 15 de abril de 2009

comunhão total de bens

meu coração teu
teu amor meu
se
tu dói, dói eu

terça-feira, 14 de abril de 2009

a primeira imagem de dois

a primeira imagem q eu coloquei foi a de uma estrada
mas é um mar
uma longa jornada
não precisa estrada
é uma entrada ou bandeira
(qual era a diferença?)
de desbravar pro centro
e conhecer
se compartilhar
é dificil e é bom

saudade de vc

(do msn com gabriel do meu coração)
.

a primeira imagem que eu coloquei foi uma maçã
babe
mas não deixa de ser um mar

sábado, 11 de abril de 2009

da vontade

necessidade de cansar
de subir nos móveis
pra concentrar no resto.

(por hora banho frio)

quinta-feira, 9 de abril de 2009

antes tapas e beijos, boo

(mas) ando altamente verbalizada na distância do amor

acho válido
e (de expressivadade) única, até
como coisas de falar exclusivamente no telefone
coisas de falar no ouvido
são as coisas de falar em Georgia
tamanho normal

ego

mulheres nem repercutem
ou não?

terça-feira, 7 de abril de 2009

so... (livre pensador francês)

talvez as idéias tenham que ser realmente grandes,
e as palvras todas realmente fortes
que de falar elas perdem a força
no atrito com a garganta.

quem sabe?

'a gente se prepara tanto pra não ter amor que quando tem...'
dá medo, era isso? fica com o pé atrás?
as vezes eu acho votos de casamento legais... mas só isso... as comidas malucas que só existem pressas festas, maquiagens, cabelos e roupas na verdade me deixam tensa de peixe fora d'água que sou pra me fantasiar assim. pior de tudo a expectativa do depois ('que depois do começo vai começar a ser o fim' qualquer coisa nesse estilo).
mas as vezes eu gosto dos votos.
talvez um dia eu caso
por isso e pela capelinha lá...
talvez (bem talvez) valha a pena.

quinta-feira, 2 de abril de 2009

brasília é assim

-garçom!
-sim?
-tem uma cidade no meu céu.
-...
-acho que não quero pagar...

quarta-feira, 1 de abril de 2009

sou assim

meio bruta e tal

então
se escrevo é que auto-ajudo
que as palavras positivas alheias me dão enjôo
então preciso
que as minhas me são boas um pouco
(mesmo as negativas)
(mesmo as furiosas)

porém
em tudo que abro
se abro
cara-a-cara
choro.

(mas é bom...)

terça-feira, 31 de março de 2009

se tenho má vontade com teus peitos novos

é porque gostava dos antigos
não que esses não sejam lindos,
claro
mas se os velhos já eram perfeitos...
eu te conheço desde antes de peito qualquer... então...
ah.
...
se um dia os olhos não me servissem mais de nada,
(os olhos os ouvidos ou as mãos em suas integridades)
daí sim seria um pouco grave...
inda mais se fosse antes de fazer algo útil
ou de fazer aquilo(s) que eu queria
ou se fosse pelo estress de fazer o que não queria
seria trágico e tudo...
...
mas
se tu é do meu coração
e do resto...
não tenho do que reclamar
(por hoje...é bem preguiça)

é praticamente bom
.

quinta-feira, 26 de março de 2009

sim

gosto da vida torta
linhas tortas
dentes tortos
sorrisos certos
sinceros

ah.

quinta-feira, 19 de março de 2009

de repente é agosto

(se de repente)
todo mundo precisa de colo,
e

ninguém tem
nem água de dar

(se todos
fomos dormir tarde)

se acordamos no outro dia
(se é assim todo dia?)
e é de chorar de cansaço
do coração descopassado
bombeando
tudo da vida ao mesmo tempo
(tudo que é rápido e devagar)
(ele mesmo, tão rápido e devagar)


(essa madita ressaca de coisa de fazer)


......................................................................................................


tem dias que nascem de fórceps
e se dói existir nem é alarmante...
se não acordassemos era melhor(?)

se não escrevessemos (certo que a literatura) era melhor

(será que agosto passa antes de abril(?))

segunda-feira, 16 de março de 2009

para pedro, com semi-indignação

acho errado que você não me dá bola
que eu encho a sua vida de música e mirabolância

mesmo se você for meu melhor colega
rum.

sábado, 14 de março de 2009

talvez seja precipitada uma previsão de tempo....

mas inda hoje vi estrelinhas
a lua
e até as coisas dentro dela

talvez eu preciso duns óculos
ou duma chuva de lavar alma...

ui.

sexta-feira, 13 de março de 2009

mas se a noite não é bem estrelada

nem chove
ela abafa
faz suar e enjoa, babe

(com que que estou engasgada?)

é de ser pra sempre,
não?

segunda-feira, 9 de março de 2009

se deixa amar então

mesmo se a tristeza as vezes é um contrário de amor

se encontro
lampadinhas natalinas,
chocolates, salgadinhos
sobre a mesa
se a maldade e a tristeza não são (só) minhas
se acho (quase) graça de não me ver só
(nessa tristeza)
se tenho a sorte de te ver antes de amanhecer

talvez não seja só trágico
(veja bem: só trágico)

certamente não será só trágico
com bem sorte será
quase pouco trágico
(comico?)

amém.

sábado, 7 de março de 2009

poema mais bom de todos já vistos em blogs

(famosos ou não)

de AnaRita em cacoração

trascrevo-o:

Cantiga de horas vagas

(ou Quantas sílabas poéticas cabem debaixo das unhas)

O amor é coisa pra dentro, meu bem
não ensaboa toalhas, mas faz espuma
Se a menina enfeitar os cabelos com claves de sol
O amor fica
O amor vai

O amor é loucura tenra, meu bem
não faz paçoca, mas pisa a carne
Se a menina enluarar o perfume das ancas
O amor fica
O amor vai

As lavadeiras do rio Tejo tinham métrica nos beijos
As lavadeiras do rio Nilo jogavam versos aos crocodilos
As lavadeiras de minha rua não rimavam quando faziam amor

sexta-feira, 6 de março de 2009

faz calor... e hiberno

tem dia que tenho toda a força do mundo
tem dia que hiberno

pra quê tanto calor, jesus?
tanta formiga,
enjôo...
céu q faz q chove mas nem...

e inda acham que encher cidade de asfalto e concreto é progresso....

segunda-feira, 2 de março de 2009

carnaval, tu pra cá

pelo menos não vivo no apartamento vazio
onde passaria a noite ouvindo silêncio
ou a persiana da janela sem vidro batendo na parede
com medo da solidão e dos zumbis no corredor.

se eu não tenho palavras,
não tenho palavras...

(quase nem tive lágrimas...
e lá fora no céu nem nuvens,
mas eu queria ir deitar...

contigo)

(babe, a sorte é incerta
é incerta, por isso que é a sorte
que nem um coração que é um coração
ou um foolish heart pela beirada
é assim porque é

não nega, que te brigo)

brasília é chato.

sábado, 7 de fevereiro de 2009

os poetas sabem tudo

quem consegue viver sabendo tanto?
é de ter força demais
centro demais
centro de menos
álcool ou substância de esquecer

cansei de encher isabella de coisa
(encher de coisa entre aspas,
mas se fico sem folego não deixa de ser)

os mesmos conselhos velhos de bom senso
(mas que defendo como ninguém
e que eu mesma não tenho
ou não pratico).

ai, meu coração maternal

de irmã.

(me atordoa, depois dorme como anjo
eu aqui


com as minhas olheiras...)

a coisa mais grandiosa é viver.
a coisa mais grandiosa é viver.
depois é enxergar viver
cumplicidade
(no bom sentido
e no mau sentido)
fetichista e viceral.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

mesmo que pra mim nem tão...

o amanhã inevitavelmente será sociável...
mesmo aos livres pensadores franceses.

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

não como futebol?

tal qual religião... comunidade artística
também se ressente (se dói) das deserções

( lembro de luda dizendo-cara de concha:
era um puta artista, virou crente)
(idem uma pá-perdidos todos são(?))
-abandono de convicções várias
isso que nos congrega(va) dói.

outra pá são ajustes de fazer.
(isso praticamente o contrário do acima..
o papel contrário, digo:
do algoz
é sobre mudar internamente)
tão difícil a intimidade de si pra si...
dizer não, dizer sim.
(dizer que ama-também parte dessa íntimidade)
desligar do que pensam de... pelo simples fato de que pensam
(que por isso não importa)


(continua, talvez.... pra ter mais sentido.)

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

açucar

maria r., o melhor a gente tem guardado no cofre.
mas acho que vou exibir por aí... o brilho.
um pouco, ao menos, deixar de medos,
de ladrão, de coisa feia (?) que é ostentar...
mas espero que não seja doce de dar enjoo.

(não sou mais tão jovem-como diz T.
que ela também:
-tou pensando em coisas de velho,
final de carreira(?). tipo casar...
meu estômago já aguenta verduras
frutas cristalizadas, passas.
e não vai mais tão com chocolate
mas sorvete...
sempre cai bem.)

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

no-tícias

(sem te saber...
pode ser nada
mas)
ui.
(que meu amor é algo maternal)

domingo, 25 de janeiro de 2009

em brasília: polêmicas

links de artigos sobre o projeto que, segundo o Correio Brasiliense de hoje: 'elevou a temperatura e a pressão de um janeiro que costuma ser plácido e chuvoso'
(como se não fosse culpa das obras que constroem a cidade que acabam por mudar o microclima-maluco desde que eu me lembro e cada dia mais)

Brasília: Oscar Niemeyer projeta nova praça na Esplanada dos Ministérios
[notícia sobre o projeto]

Oscar Niemeyer e Brasília: criador versus criatura
Sylvia Ficher

A praça do espanto
Frederico de Holanda

Pela soberania do vazio
Carlos Henrique Magalhães

A nova praça para Brasília
Oscar Niemeyer

nota

(não sei muito escrever de felicidade
isso porque já sou mesmo brega
tendências auto-ajudísticas etc.
dae seria demais até pra mim.
mas...)


saber de tis (plural) me faz contente.

babe e baby...
tão fortes e boas energias.

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

rio: tu na chuva

mas que aperto que me dá
te pensar na rua
mas te ouvir...
aun.

(e eu comendo desvairada. deusmelivredagordura.
e da falta que me dá.)

sábado, 17 de janeiro de 2009

brasília, na cozinha: cheiro de alhos que brotam

é verão e suposamente chove
supostamente chove,
mas admito que está mais umido que o inverno
(ao menos -não q seja difícil
-e por isso a alharada brotante

e o verde persistente).

é sono que não acaba, mesmo sem cinza e barulho de chuva....
imagino que é uma tentativa de esquecer a falta.
mas melhor falta que vontade de nem.

tenho vontade de escrever,

mas não tenho palavras que prestem muito.
vão essas mesmo paciência.

tou limpando o quarto, meu lar e da bel.
desapegar das coisas é difícil,
escolher o que guardar também.
mas é bom.

(nessa semana longa
a arquitetura...
me despertando uma diversidade de coisa dentro
nas aulas de projeto e no trabalho
que nem sempre.
mas hoje tolero mais. aproveito mais, talvez?)

tem uma semana que a gente tava em são paulo.
tu, gab, quase perdendo avião (a-ha).
acho o cúmulo, mas meio (inteiro) digno.
sinto falta de ti.

domingo, 11 de janeiro de 2009

tomando chá em passo fundo

então tivemos tempo de tudo quase
temos sorte


conhecer, conhecer, conhecer
e todos queridos até

nos amargos, polares e sorvetes

o tempo todo que passou
nem parece que foi tanto
e dá esperança
também porque depois de chorar
(e entender peredo)
primeiro achava que não chorava mais
depois achava que não parava e pronto
mas parei rápido
achei brasília bonita
tou contente
meio eufórica
pensando fora de ordem

é de desembolar dae

pensei uma pá de coisa adolescente melodramática de dizer... agora não sei mais
a-ha.


(e tá sendo um ano bom pra nós que nascemos na esbórnia
bah.)